John Wick: Um Novo Dia Para Matar é Costurado Sob Medida para Fãs de Ação

Com o mesmo glamour de agentes secretos, tal como o trocadilho na tradução do título que nos remete a um dos filmes do agente 007, John Wick volta à ativa com mais um longa costurado sob medida para os fãs do gênero, novamente sob o comando de Chad Stahelski, que ficará também responsável pelo remake do clássico Highlander.
Prepare-se para uma montanha de corpos, com uma contagem de alvos muito maior do que no primeiro filme. Temos muita perseguição, vingança e falta de balas também. Um Novo Dia para Matar consegue superar o primeiro filme da franquia: De Volta ao Jogo, com muito mais ação, belos cenários, fotografia e é claro, muita música, quebrando o paradigma de que o segundo filme quase nunca é tão bom quanto o primeiro.
Review do filme Um novo dia para matar
John Wick já está virando referência da década em filmes de ação. A proposta da série de filmes segue a mesma linha que tornou Missão Impossível um sucesso: muita velocidade, inimigos demais a serem combatidos e muita adrenalina nos confrontos do herói.
Figuro em john wickLembramos também a audácia e precisão de Liam Neeson em Taken, além do personagem principal vestir ternos sob medida, ser muito elegante, com finesse até na hora de suas caçadas, que nos remete ao estilo tão refinado de James Bond, um grande contraste à frieza que deve ser necessária para um personagem como esse.
Só que John Wick, ao contrário dessas figuras tão conhecidas, não é um tradicional mocinho e sim um anti-herói. Wick é um hitman, um assassino profissional com fama que o precede. Seu nome é conhecido e temido por todos e seus feitos são bem subestimados, como é dito no filme.
Interpretado por Keanu Reeves, que já ficou estabelecido como figura importante nos filmes de ação na década de 90 como Velocidade Máxima e é claro, Matrix, agora recebe o manto da vez com essa saga.
Laurence Fishburne e Keanu Reeves filme
Há algumas boas participações no filme, como a Ruby Rose (Orange is the New Black, xXx Reativado), mas que não levou tanto espaço nem desenvolvimento no filme. O grande destaque ficou então para a participação curta, mas cheia de nostalgia de Laurence Fishburne no filme, trazendo esses dois astros de volta à telona depois de tantos anos.
As cenas de ação são frenéticas ao melhor estilo de combate que envolve muita destreza com uma ampla gama de armas diferentes, trazendo sangue novo para o gênero, que teve como destaques nessa década as franquias de Mercenários e de Velozes e Furiosos.
Jogo de espelhos e fotografia em John Wick 2

Jogo de espelhos no filme, assim como demais cenários contam com efeitos em tons azulados e com iluminação incrível para encher os olhos em meio aos tiroteiros

John Wick é algo a mais. Abusa de jogo de câmeras e uma belíssima fotografia que traz um visual repleto de filtros em tons azuis que conferem um toque de modernidade e futurismo que complementam as cenas de ação noturnas. Nos sentimos em um ambiente cyber, com destaque para as músicas líricas e mashups com eletrônico, que dão um toque sensual para os movimentos.

Confira a playlist do filme aqui:


A música serve muito mais do que um mero apoio. A score do filme ajudou a nos embalar junto com a fotografia, a nos convidar para esse mundo de requinte que o diretor orquestrou na tela. Nos sentimos em meio a um tiroteio à luz de velas. Um deleite sob fogo cruzado que vale a pena assistir em uma grande tela, com o melhor som disponível de cinema.
Trailer:

Minha Avaliação:
[yasr_multiset setid=0]

Deixe um comentário

0
    0
    Carrinho
    Seu carrinho está vazioVoltar para a home
    Esse site utiliza cookies para oferecer uma melhor experiência de uso no site.