Logan e a Desolação de uma Despedida de um Ícone dos Filmes de Super-Heróis

Logan despedida do personagem no cinema

Todos estão comentando sobre o último filme que encerra o ciclo de filmes solos de Wolverine. Logan, filme que leva o nome desse herói tão querido pelos fãs, já fez mais de dois milhões de pessoas garantirem o seus ingressos, contando somente o Brasil.
Logan traz uma visão completamente diferente e de certa forma disruptiva em relação às demais iterações dos filmes dos X-Men e também de diversos filmes de super-heróis. Essa produção foi comandada pelo diretor James Mangold, conhecido pela direção de “Garota, Interrompida” e o filme “Wolverine: Imortal”.
O estúdio deu carta branca para o diretor fazer muito mais dos que nos filmes antigos de X-Men. A visão do diretor foi realmente aplicada, resultando em um filme de super-herói que respeita muito mais a jornada de Wolverine no cinema e a essência do personagem. Um filme muito mais estradeiro, com um quê de faroeste moderno e também com mais interações entre os personagens, nos fazendo acreditar mais neles como seres reais.
despedida de Hugh Jackman como Logan
Hugh Jackman amadureceu com o passar dos filmes. Nesse temos uma interpretação que vai deixar bastante saudade ao personagem. As maquiagens do filme o fazem parecer muito mais velho do que ele é realmente, mas que ainda deixam ele com aquele visual lenhador abandonado e perdido, uma das essências do personagem, à margem da sociedade.
Hugh Jackman fez uma bela interpretação, dando muito de si ao papel e às cenas do personagem. Nos confundimos com o passar do tempo do filme, onde termina o ator e onde começa o Wolverine.
Na história desse filme temos algumas caras conhecidas para pontar a história, mas somente isso. Há o professor Xavier em sua velhice fazendo sua participação. Todos com suas comoventes motivações para estarem nas situações mostradas no trailer.
Temos a apresentação da nova mutante Laura Kinney, a X-23 e de uma nova ameaça ao mundo. A frase do trailer “o mundo não é mais o mesmo”, pontua com precisão o cenário de abandono dos personagens, a sensação de vazio e muita melancolia em que vemos o Logan inserido.
Logan Wolverine Despedida Hugh Jackman
Em certos momentos nos vemos com pena dos personagens, das situações complicadas em que se encontram e é essa a grande sacada desse filme, sua carga dramática, que aposta no tempo de tela, diálogos e interações entre os personagens, trazendo uma faceta muito mais humana e intimista ao universo dos X-Men.
James Mangold já disse em entrevistas recentes para a divulgação do longa que odiava a fórmula engessada dos filmes de super-heróis. Ele não acha justo um roteiro que dispõe de tão pouco tempo de tela para cada personagem, não deixando o telespectador se inteirar com a cena e suas emoções e, finalmente, a torcer pelos personagens quando o grande conflito vier.
O filme ainda traz sangue, muito sangue. Temos toda a ação que os fãs ansiavam por ver adaptado nas telonas. Uma crítica à limitação dos grandes estúdios ao lidar com público.
Após o sucesso de Deadpool, não deu outra. Vamos ver muito mais filmes com classificação para um público cada dia mais exigente.
Logan: A despedida do personagem
James Mangold acertou muito com a construção de Logan. O filme traz toda uma atmosfera similar a de The Last of Us, com um futuro e personagens decadentes, além de diversos outros filmes de drama, que têm como foco os personagens. Temos muito mais tempo de tela para cada um, dando tempo à contemplação.
Logan também traz uma construção de um futuro mais pé no chão, sem tantas firulas desnecessárias, apenas para ambientar os personagens na linha do tempo. Há tecnologias que podemos facilmente imaginar, como por exemplo, caminhões que se pilotam sozinhos em uma estrada em altas velocidades ou também às próteses mecânicas de melhoria corporal, não fazendo o telespectador ficar tão perdido com excesso de informações.
Laura e Logan em Logan
Nesse filme temos a apresentação da nova mutante Laura Kinney, conhecida como X-23 e durante o filme, somos apresentados à essa nova joia que conta com um carisma muito similar ao de Wolverine, um bicho em meio à cidade. Selvagem e arredio, mas sem aparentar ser agressivo.
Como se não bastasse nos trailer termos Hurt, de Johnny Cash, temos também uma das canções dele ao fim do filme, mostrando toda essa desolação que acompanha uma despedida de Hugh Jackman das telonas para representar esse personagem.
Fica aqui a saudade apenas, com uma bola de feno rolando ao horizonte.
Minha Avaliação:
[yasr_multiset setid=0]

Deixe um comentário

0
    0
    Carrinho
    Seu carrinho está vazioVoltar para a home
    Esse site utiliza cookies para oferecer uma melhor experiência de uso no site.